Notícias

Catálogo da Fauna lista mais de 116 mil espécies de animais no Brasil

Desde abril de 2015, mais de 500 pesquisadores em zoologia, especialistas nos mais diferentes grupos de animais, trabalharam de maneira integrada para a criação do Catálogo Taxonômico da Fauna do Brasil. Esforço conjunto dos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e do Meio Ambiente (MMA), a lista foi lançada no final de dezembro e, até o momento, identifica mais de 116 mil espécies taxonomicamente válidas.

“É uma busca por uma nova visão política para que a conservação da biodiversidade dialogue com a questão das áreas protegidas. Há um interesse de conciliação em um momento de convergência entre fauna, flora e territórios”, disse a ministra do Meio Ambinete, Izabella Teixeira, afirmando que a lista deve ajudar o Brasil a cumprir o Acordo do Clima de Paris, assinado por 185 países na 21ª Conferência do Clima (COP 21). Isto porque, a proposta brasileira de recuperação de pastagens e áreas ambientais degradadas deve acontecer a partir do “uso proativo do território” do país e, junto com isso, a “reconstrução biológica” da fauna afetada.

Com o levantamento realizado pelo Catálogo Taxonômico da Fauna do Brasil, que listou 116.087 espécies de animais conhecidas no país, calcula-se que o Brasil detenha 9% das espécies de animais do mundo. Destas aproximadamente 11 mil são de vertebrados, com destaque para as aves com quase 3 mil espécies, o que representa 30% das aves conhecidas no mundo. Entre os animais invertebrados aproximadamente 94 mil espécies, cerca de 85% do total, são de atrópodes, com destaque para uma grande diversidade de besouros, mais de 32 mil espécies descritas, e borboletas, com quase 13 mil espécies.

O Catálogo Taxonômico da Fauna do Brasil é uma ferramenta on-line, alinhada ao Portal da Biodiversidade, administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), e ao Sistema de Informação sobre a Biodiversidade Brasileira (SiBBr), a partir do qual o catálogo também poderá ser acessado.

O desenvolvimento do catálogo foi coordenado pelos professores Hussam Zaher (responsável pela organização geral do catálogo e pela categoria dos vertebrados), Walter Boeger (responsável pelos invertebrados não-hexapoda), Michel Valim (responsável pelos Arthropoda não-hexapoda) e José Albertino Rafael (responsável pelos invertebrados hexapoda), além de 58 coordenadores de grupos taxonômicos e 502 pesquisadores brasileiros e internacionais.

A pesquisa também contou com o apoio da Sociedade Brasileira de Zoologia, Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Universidade Federal do Paraná, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

O Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), por meio do Programa de Engenharia de Sistemas e Computação, foram responsáveis pela organização que permite o levantamento e a catalogação das espécies da fauna existentes no país e o trabalho cooperativo entre todos os especialistas espalhados pelo Brasil e pelo mundo, além da elaboração de uma lista unificada.

Fonte: MCTI e MMA

LINK: