Notícias

Brasil vence prêmio da ONU com programa socioambiental de Itaipu

Concorrendo com 40 iniciativas de todo o mundo, 'Cultivando Água Boa', desenvolvido no Paraná, conquistou o 1º lugar

Divulgação/Itaipu
Programa socioambiental desenvolvido no interior do Paraná garante ao Brasil uma premiação inédita

Um programa socioambiental desenvolvido no interior do Paraná garante ao Brasil uma premiação inédita: o reconhecimento da ONU como a melhor gestão de recursos hídricos do mundo. O prêmio será entregue na próxima segunda-feira (30), em solenidade na sede da ONU, em Nova York.

Concorrendo com 40 iniciativas de todos os continentes, o programa socioambiental Cultivando Água Boa, desenvolvido no Oeste do Paraná, conquistou o 1º lugar na categoria "Melhores práticas em gestão da água" da 5ª edição do Prêmio Água para a Vida 2015.

O programa se fundamenta na gestão integrada de bacias hidrográficas e atua por bacia, sub-bacia e microbacia, visando garantir a quantidade e a qualidade das águas e, também, a sustentabilidade do território.

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek, destaca justamente essa participação, "assumida e compartilhada por todos os atores sociais da bacia hidrográfica", e afirma que "esse o grande diferencial do programa, que vem contribuindo para uma constante melhoria das condições socioambientais da região".

"Esse aspecto da governança do programa, de democracia direta, é o principal fator de sucesso e reconhecimento do CAB", acrescenta o diretor de Coordenação e Meio Ambiente da Itaipu, Nelton Friedrich, responsável desde o início pela coordenação geral do Cultivando Água Boa.

O CAB, recentemente adotado em Minas Gerais como política pública de sustentabilidade, deve ser implementado em diversas outras regiões do Brasil, já foi replicado como projeto piloto em países como Guatemala, República Dominicana, Bolívia, Argentina, Uruguai e Paraguai.

Ao apresentar as práticas vencedoras de 2015, em seu site, a ONU enumera os resultados do Programa Cultivando Água Boa e avalia que as ações contribuem para solucionar os problemas sociais e ambientais da Bacia do Paraná 3, "promovendo uma nova visão dos recursos hídricos, através da participação de todos os atores envolvidos".

A outra categoria do prêmio, "Melhores práticas de participação pública, educativas, de comunicação e/ou de sensibilização", teve a participação de 25 práticas. O primeiro lugar foi dividido entre iniciativas da Índia e da África do Sul. O prêmio é uma iniciativa no âmbito da década internacional da água (2005/20015), patrocinada pela ONU.

Melhores práticas

No total, participaram do prêmio dez práticas inscritas pela Europa, onze pela África, 20 pela Ásia, 23 pela América Latina e Caribe e um pela Oceania.

O Brasil inscreveu sete trabalhos. A escolha das melhores práticas foi feita por um comitê especial da ONU, formado por especialistas em meio ambiente, água e desenvolvimento sustentável.

Criado em 2010, o Prêmio da ONU para as "Melhores práticas em gestão da água" tem como objetivo promover esforços para atingir os compromissos internacionais com a água e questões relacionadas, estabelecidos para 2015, reconhecendo os programas que garantem uma gestão da água e do desenvolvimento sustentável, a longo prazo.

As práticas devem, também, contribuir para que sejam atingidas as metas dos Objetivos do Milênio, da Agenda 21, Carta da Terra, e do Plano de Implementação de Johanesburgo, todos relacionados ao desenvolvimento sustentável, com ênfase nas áreas de recursos naturais, erradicação da pobreza, saúde, comércio, educação, ciência e tecnologia.

Solenidade

A entrega do prêmio às práticas vencedoras está marcada para as 12h45 (horário local) de segunda-feira (30), na sede da ONU, em Nova York.

A comitiva brasileira que irá participar da solenidade é formada pelos diretores gerais brasileiro e paraguaio de Itaipu, Jorge Samek e James Spalding; pelo diretor de Coordenação e Meio Ambiente, Nelton Miguel Friedrich; por uma das gestoras do Cultivando Água Boa, Silvana Vitorassi; e pelo prefeito de um dos municípios beneficiados pelo programa, Moacir Luiz Froehlich, de Marechal Cândido Rondon.

A Itaipu Binacional criou o programa em 2003 e hoje ele é desenvolvido nos 29 municípios da Bacia do Paraná 3, no Oeste do Paraná, onde vivem mais de um milhão de pessoas.

As ações socioambientais são feitas em parcerias com prefeituras, órgãos públicos, empresas e a comunidade. Atualmente, são mais de dois mil parceiros.

Por Portal Brasil - Fonte: Itaipu Binacional